OS BENEFÍCIOS DA OSTEOPATIA

Restabelecer o equilíbrio corporal

Melhorar a circulação, a função do sistema nervoso e imunológico, a digestão e respiração

Elimina dores musculares e articulares

Previne lesões

Optimiza a prática desportiva

DOENÇAS MAIS FREQUENTES QUE A OSTEOPATIA TRATA:

 

Ciáticas, Lombalgias, Dorsalgias, Cervicalgias, Escolioses

Hérnias discais, Torcicolos, Entorses, Tendinites,

Epicondilites, Síndromes do túnel cárpico, Dores nos ombros

 

Problemas da articulação temporo-mandibular (ATM)

Tensões musculares, Contracturas musculares

 

Todos os problemas decorrentes de acidentes de viação, quedas, fraturas ou cirurgias.

 

Pode ajudar a resolver também :

Enxaquecas, Dores de cabeça, Problemas digestivos, Insónias

Depressão, Vertigens, Labirintites, Sinusites, Glaucoma,

Tensão pré-menstrual, Obstipação, Stress , Problemas respiratórios

Osteopatia

O osteopata não elimina apenas as consequências do problema, procura sempre desvendar a razão do sintoma para poder curar o paciente. 

TARIFAS : 50€ 

O QUE É A OSTEOPATIA?

A osteopatia é um tratamento surgido nos EUA, criado peloDr. Andrew Taylor Still (1828-1917), que apresentou os princípios desta terapia natural. É um sistema de avaliação e tratamento, com metodologia e filosofia própria, que visa restabelecer a função das estruturas e sistemas corporais, agindo através da intervenção manual sobre os tecidos (articulações, músculos, fáscias, ligamentos, cápsulas, vísceras, tecido nervoso, vascular e linfático). A validade da osteopatia é tão concreta que é recomendada e incentivada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como prática de saúde. De acordo com Andrew Still, o corpo humano é um sistema capaz de se auto-regenerar, sendo o dever do osteopata eliminar os fatores que o impedem de funcionar de forma saudável. Assim, cientificamente a osteopatia assenta na anatomia e simultaneamente recorre a uma visão holística que integra a mente e o corpo, sendo que este acaba por curar-se a si mesmo desde que a sua mecânica interna esteja saudável.

HÁ MAIS QUE UM TIPO DE OSTEOPATIA?

Existem várias técnicas, ligadas aos diferentes sistemas do organismo. Existe a versão osteoesquelética, o osteopata manipula os ossos, tendões, músculos e toda a parte articular, e a osteopatia sacrocraniana, onde trabalha os ossos do crânio até ao sacro. Existe ainda a osteopatia visceral. Não manipula o órgão interno, mas liberta os meios de fixação e suspensão desse órgão. Se o osteopata trabalhar tudo o que possa estar a atrapalhar o órgão ao redor dele, vai facilitar a sua mobilidade, já que o princípio da osteopatia é trabalhar as perdas de mobilidade, libertando o órgão para o seu movimento fisiológico natural – os órgãos também têm uma mobilidade inata.”

 

O QUE ACONTECE NUMA CONSULTA DE OSTEOPATIA?

Na primeira consulta é feita a anamnese completa: o que a trouxe ali, os antecedentes e historial clínico. Se tiver exames complementares, tem de trazê-los também. O espaço entre consultas é de oito a dez dias para dar ao corpo a hipótese de se regenerar – esse é um dos princípios da osteopatia.

Em função do tipo de osteopatia praticada, o paciente deita-se vestido ou com roupa interior. Para descobrir bloqueios na mobilidade, tensões e desequilíbrios no corpo do paciente, o osteopata utiliza as mãos, seguindo técnicas precisas de manipulação. Mas, ao contrário de um mito comum, não tem de fazer ‘estalar nada para ir ao lugar’. Em osteopatia, o estalo da articulação não quer dizer que o osso tenha voltado ao sítio. O osso não vai e volta do sítio; são pequenos deslizamentos.”

 

EM QUE PROBLEMAS DE SAÚDE PODE AJUDAR?

O que primeiro nos vem à cabeça são problemas de saúde relacionados com ossos, articulações e músculos, como dores de costas ou entorses. Mas a área de ação da osteopatia estende-se a outros problemas de saúde. Alguns dos mais comuns que nos aparecem são as lombalgias, dor ciática, dores da cervical, ombro e braço. A osteopatia sacrocraniana ajuda no equilíbrio do sistema nervoso, em problemas como ansiedade ou distúrbios de sono. A visceral ajuda a melhorar problemas gástricos, como as hérnias do hiato, refluxo gastroesofágico e outras.

O acompanhamento da grávida, no pré e pós-parto, também tem resultados muito interessantes. Na gravidez, a osteopatia ajuda a aliviar pequenos males, como ciatalgia (dor ciática), pernas pesadas ou dores da articulação temporomandibular. Vai agir na libertação da musculatura do pavimento pélvico e reforçar o tónus muscular do períneo, para facilitar a expulsão durante o parto, e, além disso, mobiliza os ossos da bacia, para que a sua abertura seja mais fácil. Se a bacia ficar bloqueada no parto, a mulher poderá ter uma depressão pós-parto porque o sacro fica bloqueado. Logo, a libertação de neurotransmissores de bem-estar, como a serotonina, também vai estar diminuída. Até é importante para que a mulher possa retomar, mais rapidamente, a sua vida sexual normal.

HÁ CONTRAINDICAÇÕES?

Se estiver nas mãos de um bom terapeuta, não. Pessoas que tiveram AVC não podem fazer osteopatia sacrocraniana, mas podem fazer-se outras vertentes. Não pode usar a osteopatia estrutural numa pessoa com osteoporose, mas podem-se aplicar técnicas sacrocranianas ou viscerais. Não deve aplicar a osteopatia sacrocraniana a quem sofra de epilepsia, mas pode aplicar técnicas mais musculo-esqueléticas. A osteopatia não trata doenças mais complicadas, como espondilite anquilosante, artrite reumatoide ou doenças reumáticas, mas dá mais qualidade de vida ao paciente através do alívio da dor.